Obsessões musicais (XXI)

“(…) Deus, na Sua santa sabedoria, fez o homem parir a mulher. A mulher, porém, fez pacto com o diabo e levou o homem à perdição. Por causa da mulher, da sacanagem que fez, Deus expulsou-os do paraíso. (…). O homem é senhor do lar e dono de sua mulher. A mulher lhe deve obediência. A mulher vale menos que uma vaca, mas um pouco mais que duas cabras. Carta de São Paulo aos Fariseus, Capítulo 23, versículo 44.”

-Monólogo teatral Sofia, de Dioclécio Luz –

A saudade da Lana Del Rey, que é a minha rainha, começava a me destroçar. Foram décadas sem vê-la, sem ouvi-la, coisa insuportável. Neste tópico obsessivo, ninguém vai superá-la, podem no máximo lograr alguma proximidade na tabela de classificação. Não digo “segue o líder” porque sou vascaíno, o melhor time do mundo, e não botarei azeitona na empada do time das minhas netas, ó supremo castigo.

Para gáudio dos milhares de leitores e leitoras que me prestigiam, minha musa se reencontra com este blog e vem nos franquear uma canção antiga, porém de atualidade desanimadora.

No contraponto, estivéssemos na época predominante dos LPs, o disco lançado com a Ultraviolence pela Lana teria na capa este belíssimo manifesto feminista de autoria da Lu, grande amiga de uma certa poeta frequentadora deste espaço.

https://www.deviantart.com/dreee/art/Domestic-violence-ad-3-97419517

“Pois é… Tempo, pode congelar assim! Nem a carinha linda de boneca que conservei por mais de 40, nem a cara de violência doméstica que meus olhos pulavam denunciando! Assim tá bom!  Nem uma véia satânica, nem uma mulher linda! Só eu e pronto! Com dores no rosto mas não me mataram, uma boca que eu amo, um cabelo marrom de cachos e uma cara que os mil pelling me salvaram da maldição das manchas… E vou levando, espero que não por muito tempo.

“Não serei uma véia clichê, daquelas cheias de netos e sobrinhos. Sou só, muito só! Como diz na periferia, uma “pá de gente eu conheço”, mas me conhecer é coisa de amiga que sobra se eu contar em uma mão. Sigo e me recuso! Me recuso a violência doméstica, a agressão doméstica, a violência velada de macho… Sim, vc não precisa ser casada! Tem “amigo macho que agride”! Agride qdo te canta, te assedia…

“Essas coisas… essas que eu finjo que não percebi, que eu finjo que não odiei…

“Mas não é pq eu não lasquei a mão na sua fuça foi pq gostei. É que não tenho esse perfil. Então eu sorrio, mas esse sorriso pode ser um “vá tomar no cu” em forma de moça phina! Tô me despedindo de muita coisa e de muita gente. Não quero mais assistir ao que não posso mudar.
“Rir pra e de violência, não! Não é engraçado!”

Lumarialu Maria Lu

           Ao revés. É triste, muito triste.

#Sofia
#Dioclécio Luz
#Ultraviolence
#Lana Del Rey


13/11/2019
(305)
mmsmarcos1953@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *