Obsessões musicais (XXIII)

“Eu queria me sentir mais confortável com a ideia de o tempo estar passando. Sou ateu, ou seja, não tenho nenhum apoio psicológico. A velhice é um massacre.”
Pedro Almodóvar (em entrevista a Guilherme Genestreti)

Na Capital da Esperança dos anos 60, nosso inglês the books is on the table mal dava para nos deixar próximos à porta de cadeia dos rábulas insinuantes. Os mais abonados da turma da Asa Sul (a Asa Norte, desabitada e loooonge, outro país), papai trabalhando, mesmo em funções ditas subalternas, na Câmara ou no Senado (melhor que o paraíso pois não é necessário morrer para chegar lá – saudades do Darcy Ribeiro), se infiltravam na Cultura ou na Thomas (yankees, go home). Alguns meses de curso e os alunos e as futuras estudantes universitárias de Letras não faziam tão feio na chamada Disnelândia.

De maneira que as músicas gringas penetravam nos ouvidos dos ainda não adultos pela melodia, acacianamente; a letra anglo-saxã era grego/russo/chinês para nosotros. Interessava àquele grupo enorme de monoglotas esparramados debaixo do bloco se havia ou não boniteza no que performava o crooner (anglicismo dos tempos do ronca). A mensagem, o recado contido nos versos… tô nem aí.

Os quais em sua maioria, verificamos hoje, se dispunham singelos. Peter Frampton, o garoto britânico, explodiu há cerca de cinquenta anos, Baby I Love Your Way,e de vez em quando, já com nova roupagem (“Minha voz continua a mesma, mas os meus cabelos…”), cidadão americano, Hollywood é o sucesso, reaparece por aí, em acústico covardia plena, enviando incautos para o romantismo ingênuo.

Menina, eu amo o seu jeito

As sombras crescem tanto diante dos meus olhos
E vão se movendo através da página
De repente o dia vira noite
Bem longe da cidade
Mas não hesite
Porque o seu amor não vai esperar


Menina, eu amo o seu jeito
Quero dizer que amo o seu jeito
Quero estar com você noite e dia

A lua aparece para brilhar e iluminar o céu
Com a ajuda de alguns vagalumes
Me pergunto como eles têm o poder de brilhar, brilhar, brilhar
Eu posso vê-los sob os pinheiros
Mas não hesite
Porque o seu amor não vai esperar

Bem não hesite
Porque o seu amor não vai esperar


Eu posso ver o pôr-do-sol em seus olhos
Castanhos e cinzas, azuis também
Nuvens perseguem ilhas no sol
Eu queria poder comprar uma
Fora da estação


Mas não hesite
Porque o seu amor não vai esperar


Menina, eu amo o seu jeito
Quero dizer que amo o seu jeito
Quero estar com você noite e dia

#Darcy Ribeiro
#Peter Frampton
#Baby I Love Your Way
#Pedro Almodóvar
#Guilherme Genestreti
#Thomas Jefferson
#Cultura Inglesa

19/07/2020
(317)
mmsmarcos1953@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *