Monthly Archives: junho 2016

27 06, 2016

Raimundo Fagner – Irmãos Torres (II)

2016-06-27T20:11:39+00:00 27 de junho de 2016|0 Comments

Sou a avenida cheia/De gente rápida e feia/Sou colorida inteira, concorrida e meia/Sou diariamente a dor que me passeia/A dor que me anseia ser/Particularmente rua (Santo e Demônio, de Raimundo Fagner e Ricardo Torres) A vida é didaticamente interessante. O Ricardo desfilava num karmann guia TC azul turquesa (que inveja) nessa época, portanto antes, muito

26 06, 2016

Raimundo Fagner – Irmãos Torres

2016-06-26T16:40:51+00:00 26 de junho de 2016|0 Comments

Pulsando num segundo letal/No planalto central/Onde se divide, se divide, se divide/O bem e o mal/Vou achar o meu caminho de volta/Pode ser certo, pode ser direto/Caminho certo sem perigo, sem perigo/Sem perigo, sem perigo fatal (Cavalo Ferro, de Fagner e Ricardo Torres) No Correio Braziliense de 5 de maio p.p., caderno Diversão&Arte, há uma

22 06, 2016

Coco e Tramoia

2016-06-22T02:02:15+00:00 22 de junho de 2016|0 Comments

Muitas coisas acontecem diariamente num coletivo. E, quando uso “coletivo”, não estou me referindo a agrupamento de artistas, nem a república de moradores e moradoras cotizados para divisão de despesas do apartamento ou da casa onde residem juntos, nem tampouco a setores de partidos políticos. Me vali do termo com o significado de ônibus mesmo,

16 06, 2016

Orlando

2016-06-16T02:22:34+00:00 16 de junho de 2016|0 Comments

A jornalista Sonia Racy publicou ontem, em sua coluna no Estadão, quatro tópicos a respeito da terrível carnificina na boate americana, a seguir transcritos: “Orlando Empresário de casas noturnas gays de SP, Facundo Guerra não acredita que o atentado de Orlando deva ser circunscrito à comunidade gay: ‘Foi um crime de lesa humanidade. Numa escala

11 06, 2016

Histórias do teatro brasiliense (II)

2016-06-11T19:18:57+00:00 11 de junho de 2016|0 Comments

Lido, não em sua inteireza, e transposto o prefácio feito pela Carminha, convidamos para entrar em cena o professor Fernando Villar, o chefão desta postagem que, com argúcia, esperança e lirismo, lavrara a parte introdutória do livro em referência, que foi organizado e editado à luz de dois seminários realizados para o fim de discutir

6 06, 2016

Histórias do teatro brasiliense

2016-06-06T19:33:23+00:00 6 de junho de 2016|0 Comments

Neste 2016, o Mapati está fazendo vinte e cinco anos de existência. Várias produções deverão ser realizadas até dezembro para comemorar data tão importante, máxime se o aniversariante é um centro cultural e artístico, coisa difícil de acontecer, infelizmente. Em contexto de festividades, não há deixar de margem a memória. E como se torna cada