Obsessões musicais (XVIII)

(…) o verão chega e afasta cada sombra do passado que ficou pendurada
nos velhos cabides da memória. Tudo nos parece risível agora
porque aprendemos a rir melhor. É um riso de perdão,
não de despeito. É um riso de nós, para nós,
sem máscaras de qualquer espécie.


– João Pereira Coutinho

Devolvo o xingamento, dinossauro é o indivíduo que chama de dinossauro quem não saiu da época dos dinossauros.

Estou no passado, sem deixar ao mesmo tempo de estar aqui, no presente, e arrumadinho para o futuro. Vivo o 1985 e o 2019. Lá como cá, o revoluteio dos acordes conectados no palco empolga a plateia globete – a de outrora atolada na lama da chuva, a de agora disposta nos gramados impecáveis mesa de sinuca.

Nem tudo foi ou é arte somente do Medina, o Rubem da produção que não ostenta o carisma e o charme do outro Medina, o Gabriel das ondas queimado de sol, mas é profissional que tem o seu bronze, idealizador e realizador do Rock in Rio, evento tornado célebre no Brasil e em alguns países estrangeiros. No correr de 1985, avultou outra festa universal da música, causa nobilíssima (diminuir a fome na Etiópia): Live Aid, com apresentações desmembradas por Inglaterra, Estados Unidos Austrália, Rússia, Japão, assistidas ao vivo em mais de cem países por cerca de 1,5 bilhão de espectadores.

Músicos em campo, aponto um deles, cracaço inglês. Phil Collins se levanta do banquinho da bateria, senta-se no banquinho do piano e, longe da Genesis, lavra o Gênesis.

CONTRA TODAS AS PROBABILIDADES

Como eu posso apenas te deixar ir?
Deixar você ir sem deixar rastro?
Quando eu fico aqui tomando folego com você
Você é a única que realmente me conhecia de verdade
Como eu posso te deixar ir embora pra longe de mim?
Quando tudo que eu posso fazer é ver você partir
Porque nós compartilhamos as risadas e a dor
e até dividimos as lágrimas
Você é a única que realmente me conhecia de verdade

Então, dê uma olhada para mim agora
Porque há apenas um espaço vazio
E não resta nada para me lembrar
Apenas a lembrança do seu rosto
Dê uma olhada em mim agora
Porque há apenas um espaço vazio
E você voltar para mim parece muito improvável
e é isso que eu tenho que encarar

Eu queria poder fazer você se virar
Se virar e me ver chorar
Tem tanta coisa que eu preciso te dizer
Tantas razões por quê
Você é a única que realmente me conhecia de verdade

Dê uma boa olhada pra mim
Eu vou continuar aqui
E você voltar pra mim parece muito improvável
É um risco que eu tenho que correr

Dê uma olhada em mim agora

Fez-se a merencória luz:

# João Pereira Coutinho
#Rubem Medina
#Rock in Rio
#Live Aid
#Phil Collins
#Against All Odds

19/05/2019

(297)

mmsmarcos1953@hotmail.com


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *