Folha Centenária

            Além das fontes  Movimento, O Pasquim e Lampião da Esquina, pelotões da imprensa alternativa que devolviam traulitadas nos milicos e na impávida turma da ajuda civil (que saudade dos escritos do Otto Maria Carpeaux), minha busca de formação/informação no início e meados dos anos setenta era efetuada nas páginas do Jornal do Brasil (o famoso JB, não confundir com o …

Folha Centenária Leia mais »

Inocência

Leitores sempre me perguntam porque conto tantas histórias. Exatamente pela razão do que Rosental falou: ligar o passado ao presente. – Sebastião Nery – Das quatro netas que tenho, três são irmãs e moram em São Paulo. Integrante, sob protestos, do grupo de risco, fui ter com elas na Pauliceia, em viagem de carro de Brasília pra lá, …

Inocência Leia mais »

Poemas de uma carioca desgarrada (XXIV)

Poesia é uma forma de adestrar o espanto. – José Eduardo Agualusa – Marcam este blog comedimento, pruridos de modéstia, natureza reservosa, seus ritos litúrgicos rejeitam o bater de bumbo, notadamente se para enaltecer dotes artísticos de familiares. Não é bem assim. Para impedir esvaziamento quantitativo do tópico de poesias por falta de novas colaborações (preguiça lírica dos …

Poemas de uma carioca desgarrada (XXIV) Leia mais »

Memórias/Memorialista (LXV)

A língua tanto acolhe palavras novas, os chamados neologismos, como aposenta termos sem utilidade. Os neologismos, como toda novidade, chamam a atenção, despertam a curiosidade, chegando até a suscitar discussões e algumas paixões.  Já os que saem de cena costumam fazê-lo em silêncio, discretamente, sem um último aceno de adeus. Esses são os arcaísmos, que …

Memórias/Memorialista (LXV) Leia mais »