Pinceladas poéticas

Carioca das velhas, e bestas, e ultrapassadas, rivalidades com os paulistas, Santos ou Botafogo, Pelé ou Garrincha, SBT/Band/Record ou Globo, Adoniran ou Noel Rosa (essa, eu inventei agora), litoral de São Sebastião ou Região dos Lagos, Maria Julia Coutinho ou Maju, ainda sofro para reconhecer fato inquestionável: Sampa vem agitando polêmicas nas hostes pensantes(?) do Brasil varonil.

Neste período pré-carnavalesco e de ingresso em cena dos neoprefeitos, alguns nem tão novos assim, debateu-se muito se pichação é arte. Em não sendo, o grafite sozinho ocuparia tal papel e caracterizaria o lídimo fazer artístico? Saio dessa bola dividida – para não repetir o chavão de utilizar o futebol como metáfora, a bola deste meu exemplo é a do vôlei feminino de praia, homenagem às praticantes do esporte cada vez mais destaque nas olimpíadas, quase todas elas cracaças e lindas, se é que não incorro em deplorável machismo.

Não irei afirmar que pichação é coisa da turma da zona norte, a que, sentada lá no final da sala de aula, barbariza os professores e a turma do Bolinha. No propósito de me redimir da inconveniência de elogiar a beleza das mulheres, realço o destemor da Luluzinha (espécie de mãe da Mônica com seu feroz coelho), que enfrenta e põe pra correr o Zico e os seus cupinchas acovardados.

Não irei defender que grafite é manifestação verdadeira de artistas admiradores de administradores municipais que vira e mexe se fantasiam de lixeiros e se projetam pelas ruas em eventos organizados por marqueteiros profissionais (acorda, pessoal, já são cinco da manhã, peguem suas vassouras e vamos pras ruas e pras fotos nos jornais).

Minha inação quanto ao assunto se assenta em que esses artistas, da zona sul, da zona norte, têm como instrumento de trabalho o spray (alguém aí se lembra do Colorjet?). Ponho de margem essa ferramenta, esse instrumento que durante muito tempo recebeu condenação da parte dos verdes. Alegavam os ambientalistas que os gases desprendidos do spray, quando jogado nos muros da cidade, seriam prejudiciais à camada de ozônio. Nada de aerossol.

Sustentável é casar a tinta com o pincel, na poética do Alex, menino de Planaltina, cidade distante do Plano Piloto e tão perto do céu que na Semana Santa o povo vai pra lá, se aglomera e, extasiado, assiste à encenação da Paixão de Cristo.

Self-Portrait as a Painter Paris, December 1887 - February 1888 Vincent van Gogh
Self-Portrait as a Painter
Paris, December 1887 – February 1888 – Vincent van Gogh

PINCEL SEM TINTA

Pobre pincel que nada pode criar
Nada pode fazer
Que sem tinta seu propósito seria tão vazio
Quanto o nada
Ainda há pessoas que acreditam que a tinta saiu do pincel
Acho esse o pior erro de todos
Sem a tinta não há beleza, não há cor, não há arte
Não existiria o mundo, não haveria vida
Então, algo de extraordinário aconteceu
Como uma simples explosão de emoção
A tinta nasceu
E o nada já não era mais nada
E sim, o tudo
Foi como se alguém gritasse
Que haja luz!
Pois agora posso ver sua cor, ouvir seu som e sentir seu cheiro
Apreciar suas formas
E que formas
Devo minha própria existência a vocês e a seu princípio
Espera, algo de errado está acontecendo
Estão matando, estão morrendo, estão sofrendo
No momento que o pincel parou de fazer arte, houve o desastre
A tinta perdeu seu valor e foi esquecida, maltratada e coagida
Perdendo o encantamento aos poucos
Milhares de Anos de maus tratos, de espaço invadido
Controle nocivo de uso abusivo
Abuso
Tomamos posse de tintas e brilhos
E vamos controlando seu tom até que ela perca todo o seu encantamento e todo seu som
E nesse processo o mundo vai perdendo a cor
Sem graça, sem arte, sem beleza, sem som
A vida já não é a mesma
Tenho pena do pincel que se acostumou com tudo isso
Não deixe a tinta morrer ou a luz se apagar
Dê valor a todas as cores da vida
Lembre-se que a nossa existência sem a tinta não é nada
Então vá! Abrace, beije, ame, faça arte
Dê mais valor a vida e a cor
Para que o brilho da tinta seja infinito
Pois nada sai de um pincel sem tinta.

– Alex Primmer –

19/02/2017
(233)
mmsmarcos1953@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *