Poemas de uma carioca desgarrada XV

Linha de passe.

Altinho? Perdão, meus conterrâneos, esse nome… Como era bom jogar isso na minha adolescência em Brasília. Antes da pelada, ou mesmo sem haver pelada, os meninos (meninas ainda não jogavam bola. Pra dentro, Marta Saré) a exibir controle de bola, a qual não podia cair de jeito nenhum, pena de vaias e deboches. Cabeça, peito, barriga (antes do Renato Gaúcho), joelho, coxa, ombro, peito do pé, lado interno do pé, tornozelo, partes do corpo humano usadas para formar inteireza e apuro estético. Um futevôlei sem rede e sem pontuação, já que os gols, feitos somente depois no mínimo do terceiro toque no courinho (minhas netas conhecem esse termo?), nem eram contabilizados. Um esclarecimento: era um goleiro apenas, um sparring, contra todos em campo; o time do homem solitário debaixo da baliza não existia. O que não significa que a brincadeira não fosse levada a sério, clima de Copa do Mundo.

Meus sistemas acusam ainda registros de linha de trem, linha de raciocínio, linha de ônibus, linha da mão, linha de chegada, linha de … À época do meu pai, dizia-se alinhado o homem elegante, bem vestido, de fina educação, correto com todo mundo, genro que todas as sogras queriam, algumas os queriam literalmente não como genros. Isso dava e ainda dá muita confusão.

A poeta carioca, agarrada como uma craca em Minas Gerais, mitiga o drama existencial da humanidade – nos fura com agulha, cose finitudes e, quando começamos a sucumbir, ela sutura a ferida, alinhava nosso renascimento.

LINHAS

A linha da vida
linha do destino
linha do amor

A linha do horizonte
Invisível e concreta
Longínqua, inacessível…

 As linhas retas – eretas
diretas
conexas
As linhas curvas do arco-íris
das montanhas
do sol
da lua
Linhas côncavas – convexas.

As linhas sinuosas,
oblíquas e finitas do corpo – a boca
os olhos
o nariz
as orelhas
Os pés , artelhos
As mãos, anseios
O coração, receios
A cabeça, devaneios

Os sentidos
O tato
O olfato
Visão,
Paladar, sensações

O éter – desejos
sonhos
pesadelos.

A linha tênue entre o bem e o mal
Entre a virtude e o defeito,
O falso e o verdadeiro.

Linhas diversas,
Múltiplas
Infinitas
De texturas muitas
Grafite
Seda
Algodão
Corda
Nylon…

De ouro
de cobre
de aço
de prata,
Latão.

As linhas do céu – nuvens
sol
estrelas
Imensidão.

As linhas do mar – ondas
conchas
velas
Vastidão.

As linhas da terra – trigo, alimento, campo,
Nutrição.

A última linha da vida – caixão,
dor,
morte,
RESSURREIÇÃO.

(- Norma Martins -)

http://fotodicasbrasil.com.br/domine-a-perspectiva-como-elemento-de-composicao/
http://fotodicasbrasil.com.br/domine-a-perspectiva-como-elemento-de-composicao/

 

Marcos Martins

(157)

mmsmarcos1953@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *