Xô, mosquito

Há coisa de dez anos, meu irmão Luiz foi passar uns dias de férias em Pernambuco. Preso aos laços de fraternidade, torci  como sói para que tudo desse certo, o que não impedira brotar em mim uma invejazinha saudável(?), visível só em microscópio de última geração, desses que encontramos em laboratórios de renomadas universidades americanas ou europeias e que custam pra mais de milhão de dólares. Vocês queriam o quê?

A viagem era para Olinda – e ainda por cima em época de carnaval.

Não deu outra, “tava tardando” (como dizia meu pai): dois dias na bela cidade histórica, patrimônio universal, e a dengue fez o invejado folião desabar na cama, febre, calafrios, dores pelo corpo todo. Ao primeiro sinal de melhora, frustrante e melancólica volta para Brasília.

Fingindo que esqueci a bobajada que o atual ministro da saúde falou sobre a doença (“… as futuras grávidas…” deixa pra lá), trago a este blog, não raro picado pelo nepotismo, uma situação de vindicta – é inadiável eliminar o aedes aegypti, que não é um mosquito, é uma trindade pois traz na mochila três armas de destruição em massa.

http://waldirmadruga.blogspot.com.br/2014/06/chikungunya-novo-virus-da-dengue.html
http://waldirmadruga.blogspot.com.br/2014/06/chikungunya-novo-virus-da-dengue.html

Vingarei o Luiz ainda que tardiamente.

Aconselhado por uma tigresa de unhas negras e iris cor de mel, que nos diz como é bom tocar um instrumento (obrigado, Caetano), vou convocar meu primo Gerardinho, um dos únicos com dotes musicais na família. O virtuose machuca de leve um cavaquinho e integra o Sapeka aí, grupo de samba da Capital Federal.

O Dinho empunhará aquela raquete, vermelha ou azul, chinesa ou paraguaia, vendida nos sinais de trânsito e que dá um puta choque nos insetos. Cheio de repelente – ele não é bobo -, o sapeca cantará esta marchinha dentro do criadouro do maldito aedes:

XÔ, MOSQUITO!
VÊ SE ME ERRA
SEM FOLIA, EU NÃO RESISTO
E O CARNAVAL ME ESPERA              

XÔ, MOSQUITO!
NÃO VENHA ME PICAR
CHIKUNGUNYA, ZIKA E DENGUE
NÃO QUERO NEM OUVIR FALAR      

ELIMINAR O MOSQUITO
É A PALAVRA DE ORDEM
É O PRIMEIRO REQUISITO
PARA QUE ALVO, AS PESSOAS NÃO SE TORNEM

E NÃO É SÓ NO GRITO
QUE VAMOS NOS LIVRAR DESSE MAL
É COM ATITUDE, EU INSISTO
QUE ELE VAI SUMIR DO NOSSO QUINTAL

(Gerardo Araujo de Lima)

Não nos foi apresentada ainda a melodia de “Xô, mosquito”. Quem quiser conhecê-la deve aguardar a divulgação para breve ou ir a um show que esse conjunto de bambas faz por Brasília e adjacências.

 

23 de janeiro de 2016

(167)

mmsmarcos1953@hotmail.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *